O Futuro das Revistas no País

Artigos, Sociedade

revistas-abril

Todos sabem o que é uma revista para leitura. As publicações são divididas em assuntos variados como: notícias; política; esportes; universo feminino; cultura pop; ciência e história e tantos outros. As revistas, fossem semanais ou mensais, sempre foram populares. Mas com o advento da internet, tudo mudou. As pessoas podiam ler sobre qualquer assunto, qualquer artigo, na hora que quisessem, e o melhor, de graça.

Com a internet, eu pensei que as revistas poderiam até serem extintas. Mas não, as editoras continuaram publicando vários títulos com regularidade e qualidade. Mas recentemente, a editora Abril, a maior do país, responsável por títulos como Playboy Brasil, Veja, Exame, Superinteressante, Placar, Claudia e tantos outros sucesso editoriais, entrou em uma grande crise. Tanto é que fechou as portas para várias revistas famosas e demitiu um grande número de funcionários.

Eu fico triste com a situação, porque eu sempre gostei de revistas, do prazer de segurar uma publicação, cheirar as folhas, analisar a capa, ler os anúncios de produtos, estudar o índice para decidir o que ler em seguida. Eu sempre irei apoiar a continuação de publicações impressas pelo país e pelo mundo afora.

A pergunta que fica agora é: qual será o futuro das revistas no Brasil? Mesmo com o acesso à internet cada vez mais fácil, será que a população brasileira continuará se interessando pelas publicações? Eu espero que sim, mas a resposta, apenas o futuro nos dirá.

 

Anúncios

Eu Serei a Verdadeira Resistência

Artigos, Política, Sociedade

44256999_343146759803197_3203686221393123929_n

Com a vitória de Jair Bolsonaro para à presidência da república, uma grande parte da população brasileira passou a utilizar uma frase bem marcante ”Seremos a resistência!”.

Mas é aí que esta o problema. Resistir apenas ao governo Bolsonaro? E o outro candidato, Fernando Haddad? Ele então seria a solução para os problemas do Brasil? É totalmente imbecil se concentrar apenas em um candidato, achando que ele irá ser péssimo e se esquecer do outro, que provavelmente seria ainda pior. Estamos falando de Haddad, considerado o pior prefeito da história de São Paulo; um homem que se diz socialista, um sistema que nunca deu certo em lugar nenhum; faz parte do PT, o partido mais corrupto da história do mundo e para finalizar, sendo a cereja no top do bolo, obedece ao presidiário Luiz Inácio Lula da Silva, condenado por lavagem de dinheiro, corrupção passiva e investigado por formação de quadrilha. Que bonito hein?

Durante as eleições, tomei partido para o lado da direita, o lado ”conservador”. Mas depois de passar tanta raiva e consultar mais a história do mundo e da política, conheci uma filosofia, por assim dizer, chamada ANARCOCAPITALISMO. Que nada mais é que um estudo que mostra que a sociedade não precisa de um estado mandando em suas vidas e muito menos de políticos tomando as decisões para os cidadãos. Finalmente eu abri os olhos, parei com a bobagem de esquerda e direita e de simpatizar com políticos ou qualquer outra figura representante do estado. Percebi também que imposto é roubo e que a maioria das guerras desnecessárias foram iniciadas pelos malditos governantes. Ficou claro que fomos, desde a infância, doutrinados para pensar que o estado é algo legítimo, algo essencial para a vida de todos nós. O que não é verdade, basta refletir e estudar o assunto de forma mais aprofundada.

Então, o que lhes digo é que sim, eu serei a resistência, mas não contra o Bolsonaro, não contra o PT ou outro partido/governante, eu, a partir de agora, serei a resistência contra todo e qualquer tipo de governo; serei a resistência contra o estado; serei a resistência contra este bando de homens engravatados, que ganham dinheiro pago por nós, a força através dos impostos absurdos, e pensam que podem mandar em nossas vidas.

Não, mil vezes não. Está sim, é a verdadeira e legítima… RESISTÊNCIA!!!

A preocupação desnecessária com as feministas

Artigos, Política, Sociedade

FEMINISTA-1-3

Com a ascensão do conservadorismo no Brasil durante a última campanha para à presidência da república, muito se falou no movimento das feministas. E de forma errada, muitos criticaram as mulheres que se consideram feministas.

Antes de mais nada, quero deixar claro que não apoio o exagero, como por exemplo, o de muitas que se dizem feministas e acham que se um homem, no meio da multidão, esbarrar nelas, já é assédio. Muitas, ao serem levemente tocadas, já fazem um verdadeiro escândalo. Ao invés de, pelo ao menos, conversarem com calma e educação com o sujeito que elas pensam que as assediaram.

O que me fez ser bem mais tolerante com as feministas foi o simples fato de analisar o passado: basicamente, todas as desgraças, guerras e todos os tipos de conflitos, surgiram a partir de desavenças entre os ”malditos” homens. E na maioria das vezes, vamos ser sinceros, por motivos bem idiotas! Então, surge a mulher, querendo ter direitos iguais e uma voz tão forte na sociedade quanto a dos homens, e muitos se incomodam, e o pior, iniciam ataques ridículos e infantis contra elas.

O que as feministas muitas das vezes defendem, realmente, gera polêmica, como a questão do aborto. Enquanto muitas mulheres apoiam o aborto apenas em casos de estupro, outras querem o direito de o fazê-lo em qualquer circunstância. E é isto que, na maioria das vezes, fazem elas serem duramente criticadas. Ou também, por alguma ideia ”revolucionária” que surge de vez em quando.

Você não precisa concordar com tudo, mas o movimentos feministas devem sim serem respeitados. Assim como qualquer outra manifestação, desde que ela seja pacífica e esteja aberta ao diálogo. É totalmente errado julgar de forma preconceituosa mulheres, que na maioria das vezes, querem apenas ter voz na sociedade e os mesmo direitos dos homens. Homens estes, que apesar das enormes contribuições e descobertas para a humanidade, fizeram bem mais maldades e provocaram muito mais mortes de inocentes, do que as mulheres.

 

Eu amo os bons empresários

Artigos

e2f4bf93e18da9fa931468f8cdc5732d

Todos os bons empresários têm o meu total apoio. Eu digo os bons. Aqueles que tratam a todos com respeito, incluindo os seus funcionários, e monta um projeto, sério e de confiança. E melhor e mais empolgante ainda se a empresa criada fizer algo diferente e oferecer um serviço ou produto inovador comparado às concorrentes.

Com o sucesso dos empresários, mais empresas surgirão, e centenas, não, milhares de pessoas terão empregos. Todos saem ganhando, os empresários e inúmeras pessoas que estão sempre procurando novas oportunidades de trabalho.

É essencial para um empresário, ter em visão o livre mercado e a livre concorrência. Mas o estado e os impostos sempre atrapalham. Por isso, que em regimes autoritários, onde o governo quer meter a mão até no preço dos produtos e em quanto cada empregado deve ganhar, o país entra em um caos total, e os cidadãos se revoltam contra o seu governante.

Agora, se você que esta lendo, apoia os bons empresários e empreendedores, o livre mercado e a geração de empregos e riqueza, você tem a minha total simpatia. Quando uma empresa nova dá certo, toda a população da cidade só têm a ganhar.

Esquerda ou direita?

Artigos, Política

esquerda-e-direita-na-politica-og

Durante a intensa campanha para dos candidatos à presidência da república de 2018, muito se foi dito da esquerda e também da direita. Se alguém apoiava o candidato Fernando Haddad (PT), era taxado de esquerdista, comunista, marxista. Do outro lado, os eleitores de Jair Bolsonaro (PSL) eram chamados de extrema-direita, fascistas e até de, acreditem, nazistas!

Os esquerdistas aqui no Brasil são as pessoas que defendem o Socialismo, onde o estado controla a economia e tenta, apenas tenta, distribuir a riqueza de forma igual para os cidadãos do país. Eles também tem como característica a defesa das ”minorias” como os negros e a comunidade LBGT. Já a turma da direita, é conhecida por serem em sua maioria, conservadores dos bons costumes. Também defendem na maioria das vezes o armamento, e são contra cotas raciais e contra a divisão das pessoas em ”classes”. Os eleitores de direita têm como característica defender o capitalismo como a melhor forma de se governar e gerar riqueza. Uma referência para os direitistas é a do brasileiro Olavo de Carvalho, professor e filósofo. Já para a turma canhota, o seu ídolo maior é o polêmico pensador revolucionário do século dezenove, o alemão Karl Marx.

O problema com à esquerda é a falta de ideias. Tudo para eles são slogans, panfletagens, mas eles nunca têm pensamentos claros sobre o que eles defendem. Já o pessoal de direita, até que têm bons argumentos, mas mesmo assim, o discurso deles soa muito rude e autoritário na maioria das vezes. E chamar um sujeito de caráter questionável como Bolsonaro, de ”Mito”, como muitos fazem, não ajuda em nada. Assim como ver os esquerdistas adorando e endeusando um presidiário como o ex-presidente Lula, é uma piada de mal gosto.

No meu ponto de vista, analisando e refletindo bem no fundo de minha consciência, eu vejo que isto tudo é tão patético. A pessoa nasce, começa a apreciar diferentes coisas do mundo, estuda, se diverte, conquista amizades, forma um gosto próprio para a música, os livros, os filmes, séries e artes em geral, para então, de uma hora para outra, por causa de algo tão irritante que é a política, se definir apenas se é um ser humano de ESQUERDA ou de DIREITA. Me desculpem, mas isto é patético. Eu jamais irei me definir como direita ou esquerda, um ser humano não pode se definir, definir toda a sua existência para algo tão bobo e sem noção. Por isso, no meio de toda esta tola discussão de direita, esquerda, centro, centro-esquerda, centro-direita, extrema-esquerda, extrema-direita e toda esta baboseira, eu fico comigo mesmo e meus ideais. Não sou nem esquerda, nem direita, sou apenas um ser humano tentando – e conseguindo, modéstia a parte – ficar mais sábio a cada dia que passa. E claro, no meio disto tudo, me divertindo pra caramba.